sexta-feira, 16 de fevereiro de 2018

Amizade (1)

   Precisamente em 2014, num dia de manhã, minha mãe disse que teria que ir ao médico. Eu não estava bem. Já não conseguia dormir à alguns dias. Já mal comia. Emagreci mais do que já era. Não via encanto em nada. Eu só queria desaparecer.... Não queria ir, mas fui! Antes mesmo de entrar para a consulta já só chorava. Não conseguia parar. Era incontrolável. O médico falou para mim e eu não dizia nada. Chorava apenas. Naquele dia só chorei. Foi-me diagnosticado depressão profunda. Hoje sei, que naquele dia, demonstrei perante os outros o que já tinha feito à algum tempo. Desisti de mim. Perdi-me e sinceramente não queria encontrar-me nem que o fizessem. Achava que não valia a pena. Hoje ao recordar sei que dei muitos sinais que eu não me fui apercebendo do que estava a acontecer. Deixei-me ir. Porém, tive sorte. Nos médicos que me acompanharam. Na familia que me apoiou. E na irmã de coração que eu tive. Sim, a amizade é a familia que escolhemos. Mas esta amiga não fui eu que a escolhi. Foi ela que me escolheu a mim. Acompanhou-me no meu processo de recuperação. Nunca falamos no assunto. Não era preciso. Não eram palavras que eu precisava. Os gestos, as atitudes, a fé em mim, as ações, os sorrisos falavam por si. Ela entendia-me mesmo sem saber o porquê. Nem eu mesma sabia. Ela acreditava mesmo que eu não o fizesse. Ela tirava-me de casa quando eu não o queria fazer. Fez-me agarrar às pequenas coisas que eu gostava de fazer quando isso até a prejudicava fisicamente. Ela fazia comigo. Ela estava lá. Sempre! Foi mais que uma amiga. Foi uma irmã para mim. É daquelas pessoas que por mais tempo que passamos sem falar ou afastadas quando nos reencontramos é como se essa falha de tempo não existisse. É daquelas pessoas que tem e vai ter sempre um lugar especial no meu coração! Ela sabe disso. Sente-se!
   Hoje estou bem. Fiz um longo caminho pessoal. Tive que nascer novamente. Hoje existe uma nova Liliana. Melhor. Mais viva. Consciente dos seus limites e das suas fraquezas. Mas capaz de fazer tudo para conquistar o mundo e a felicidade. E se eu estou ainda por cá é porque tive pessoas maravilhosas de coração ao meu lado. Pessoas que sabem o que é verdadeiramente a amizade. E a elas eu agradeço. Obrigada por fazerem parte de mim. Da minha história. Da minha vida.


 Liliana
do Blog Uma das 3 irmãs 

5 comentários:

  1. senti cá dentro o que descreves-te... és uma corajosa e desejo que continues a ter essa força para viver e lutar por ti!!!
    Muito obrigado pelo teu testemunho e partilha, Do Fundo do Coração...

    ResponderEliminar
  2. Há alturas da vida em que nos vamos tão abaixo, que depois, todo o processo de reviravolta é duro, profundo, regenerador, mas tem de ser feito e sempre com ajuda dos que nos são mais próximos. Felizmente está tudo bem agora :) Isso é o mais importante!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, é verdade. É preciso um grande trabalho interior e pessoal. Amigos verdadeiros que ficam perto remendam o que está quebrado.

      Eliminar
  3. Fases de depressão são muito complicados... sem medicação/companhias certas pode mesmo ser desastroso...
    Ainda bem que te escolheram e acompanharam...
    Beijinho!

    ResponderEliminar