segunda-feira, 5 de março de 2018

Um filho é o nosso ponto mais fraco

Queria deixar-vos palavras de encorajamento, de luz, de amor mas hoje não consigo... os filhos são o nosso ponto mais fraco. E quando temos de educar, disciplinar de forma mais dura, dói; e quando vemos que por mais que faças o melhor que sabes ficam muitas lacunas por preencher, também dói; e por mais que tentes controlar tudo e colocá-los na nossa redoma não conseguiremos protegê-los do mundo exterior onde há maldade e onde nem todos são amigos por mais que queiramos.
Eu sei que há coisas que não dependem de nós, que há coisas que vão ter de aprender e escolher sozinhos. Devemos ensinar os valores que consideramos serem os melhores, devemos dar orientações práticas em situações concretas, contar situações que se passaram connosco no passado, no fundo é dar as raízes de amor e ensino para fazerem escolhas sábias mas também ajudar a construir as suas próprias asas para voarem com tudo o que são.
 Mas custa... porque a minha princesa M é mais frágil, tem uma situação familiar mais exigente e instável por causa do pai e infelizmente vejo nela as minhas próprias fraquezas. O facto de ser uma criança mais fechada não ajuda, nem a ela psicologicamente, nem a mim para poder ajudá-la.
Todas as conversas, ralhetes, castigos e lágrimas que te causo são porque te amo filha...  na verdade eu estarei sempre aqui com Amor de mãe que quer proteger, ajudar e livrar do sofrimento mas sei perfeitamente que o caminho terás que ser tu a percorre-lo com os teus pés.

7 comentários:

  1. Cresces tu, cresce ela, crescem juntas. Aprendem juntas, ela o que deve ser, ser filha, tu a ser mãe. Ouço muitas vezes a piada de, ai e tal os filhos não vêm com manual de instruções, pois não, mas ao seres mãe também não te entregam o dito manual com instruções de como seres mãe; por isso vais aprendendo a sê-lo com a tua própria experiência. Os nossos tetra avós erraram de caraças, os bis erraram "tótil", os avós fartaram-se de errar...os nossos Pais?!?!?! uiiii...Nós vamos errar! Mas também vamos aprender e amanhã vamos SEMPRE tentar fazer melhor do que ontem. E para não darmos em doidas convém de vez em quando pensarmos que a quantidade de vezes que acertamos é muito superior àquelas em que erramos.
    Só mesmo uma mãe compreende o que a outra sente quando no fim de um ralhete as abraçamos e lhes dizemos baixinho: "Amo-te muito filha!"...Só aí eu e tu já estamos a anos luz de distância daquilo que fizeram conosco, e isso GARANTO-TE vai fazer toda a diferença no coração da pequena M. ...a semente já lá está.

    Abreijo minha doce mai'noba :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. ... crescer custa pra caraças, aos filhos e aos pais!
      Obrigado ♥ desta Mãe para uma Mãe mais experiente!

      Ps Não queres vir cá fazer uma rubrica ;) É um mesmo um conbite ;) PENSA NISSO!

      Eliminar
  2. Havemos de conversar sobre o que andas a magicar:)

    Suri

    ResponderEliminar
  3. ♥ Dói muito!
    Às vezes acho que nos dói mais a nós do que a eles...
    E é mesmo como a Suri diz... Já fazemos diferente "quando no fim de um ralhete as abraçamos e lhes dizemos baixinho: "Amo-te muito filha!"...
    Espero que seja suficiente...
    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. .. pois, andamos sempre com o coração fora do peito!

      Eliminar
  4. Eu viro as coisas e choro sem ele ver

    ResponderEliminar
  5. Um dia, acredito, que ela perceba isso. O importante é uma pessoa deitar-se com a consciência que fez o melhor que sabia e podia. E o melhor para os nossos filhos. Mas que não é fácil... não, não é!

    ResponderEliminar