quarta-feira, 4 de julho de 2018

Quando alguém que gostas muito vai para um convento

A minha querida Dina... lembro-me de termos trocado e-mails de "despedida" talvez há uns 3 anos atrás. Lembro-me dela estar muito certa de que seria o convento a sua vocação e chamado. Tentei demove-la, tentei dizer que poderia servir a Deus cá fora no mundo e há tanto para fazer mas com 20 e poucos anos foi para um convento de clausura.
Sempre que pergunto por ela à sua irmã nunca me respondeu mas sei que tem havido muito sofrimento por parte da família, é normal.
Gostava de saber noticias. Passo muito tempo a pensar nela, às vezes durante a noite, ou em determinadas situações do dia. Preocupa-me.

Estará feliz?
Estará segura da decisão que tomou?
Porque é que sinto o meu coração tão inquieto??
Porque é que não posso saber dela?
Porque é que tudo me parece pior do que uma prisão?
Porque é que esse convento tem um muro tão alto e arame farpado? será que é para ninguém entrar ou para não deixar ninguém sair?

Pouco sei deste tipo de instituições e não quero fazer julgamentos do que não conheço, sei que todos vão dizer que foi uma escolha pessoal e foi.
Eu só preciso de saber se ela está bem para sossegar o meu coração até lá todas estas perguntas batem no meu pensamento.

5 comentários:

  1. Conheci uma pessoa que tinha uma familiar num convento de clausura. Só podiam visitá-la de x em x tempo....não me recordo se era uma vez por ano ou até menos. Mas a pessoa em questão estava feliz com a sua escolha.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ainda bem, é essa dúvida que me inquieta!
      obrigado pela partilha!

      Eliminar
  2. Espero que esteja tudo bem... Não faço ideia de como essas coisas funcionam... Beijinhos

    ResponderEliminar
  3. Não percebo o motivo pelo qual estas instituições quase que obrigam as pessoas a cortam a comunicação com o mundo cá fora. Acredito que não seja fácil para a família e amigos, mas esperemos que tudo esteja bem!

    ResponderEliminar